sexta-feira, 21 de maio de 2010

Prece Titânica

Éolo que sopras as copas
Do azinho, castanho e pinho,
Destino incerto por caminho:
Traz-me novas do meu destino;

E tu, Tétis em que navego,
Com Poseidon por amigo,
Olha o fardo que carrego:
Traz-me um porto de abrigo;

Ainda tu Selene, minha lua,
Cega Hipérion um instante,
Que faça de Febe musa sua
E traz-me um rio que cante;

Não te fiques Hera, tu também,
Rainha de um Olimpo qualquer,
Não me votes ao desdém
E traz-me Héstia por mulher.

Pede a Zeus, teu senhor,
Que Afrodite afaste de mim
Ou antes deixe morrer de dôr,
Quem teve uma sorte assim!


Leonel Auxiliar 05/2010

2 comentários:

art hur reflexo disse...

Grande poema,amigo Leonel.
digno de ser musicado e cantado.
Parabens, gostei muito do blog.
1 Abraço.

Leonel Auxiliar disse...

Obrigado Artur! Tenho a impressão que nem toda a gente o entende. Mas se calhar não é tão complicado...
Um abraço.